Pioneiros

    em Todo o Mundo

    ‘Na Casa de Meu Pai Há Muitas Moradas’

    O Legado de Fé de Green Flake

    Jonathan A. Stapley e Amy Thiriot

    Em 7 de abril de 1844, Joseph Smith participou de sua última conferência geral, dando um discurso considerado por muitos como o seu maior sermão. O tema escolhido — o relacionamento entre Deus e o homem — transformou o entendimento dos membros da Igreja restaurada. Naquele mesmo dia, John Brown, um missionário no Mississippi, registrou em seu diário: “ordenamos dois élderes hoje, os irmãos James M. Flake e Washing[ton] N. Cook. Também batizei dois homens negros, Allen e Green, que pertencem ao irmão Flake.”1

    Green nasceu escravo, na fazenda de Jordan Flake perto de Wadesboro, Condado de Anson, na Carolina do Norte, em meados da década de 1820.2 Posteriormente, o filho de Jordan, James Madison Flake, levou Green para o Mississippi, a fim de ajudar a colonizar a terra desocupada pela realocação forçada das Cinco Tribos Civilizadas. Foi no Mississipi que James, sua esposa, Agnes Love Flake, e seus escravos conheceram o Élder Benjamin Clapp e filiaram-se à Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

    Primeiramente, a família Flake viajou para Nauvoo, Illinois, e em seguida para Winter Quarters. Quando a primeira companhia partiu para as Montanhas Rochosas, três famílias convertidas no Mississipi enviaram seus escravos junto com ela. Os escravos, Green Flake, Oscar Crosby e Hark Lay (posteriormente Wales), foram à frente para construir casas para as famílias.

    Apesar de os membros da companhia não se referirem aos escravos de maneira muito enaltecedora em seus diários, eles foram vitais para a jornada dos pioneiros.3 Quando Brigham Young ficou doente à beira do Emigration Canyon, ele enviou Green e alguns outros à frente para preparar o caminho. Green conduziu a primeira carroça a atravessar o Emigration Canyon,4 e quando Young chegou ao vale, Green já havia plantado algumas sementes. Quando James e Agnes Flake chegaram ao vale do Lago Salgado, em outubro de 1848, Green já havia construído para eles uma confortável cabana de toras na região sul de Cottonwood, no Vale do Lago Salgado.

    James faleceu logo depois, e três anos mais tarde a viúva Agnes e seus três meninos mudaram-se para San Bernardino, na Califórnia. Agnes levou sua escrava, Liz, com ela, mas deixou Green no vale do Lago Salgado. Vários anos mais tarde, quando Agnes estava prestes a morrer, ela pediu a Amasa Lyman que escrevesse para Brigham Young solicitando que Green Flake fosse vendido para angariar fundos para a família dela. A venda não ocorreu; Green podia se considerar livre desde o falecimento de James Madison Flake, em 1850.

    Green Flake casou-se com Martha Crosby, filha de Vilate Crosby e meia-irmã de Hark (Lay) Wales e Oscar Crosby. Martha tinha sido batizada quando ainda era escrava, junto com os membros da família Crosby, no Mississippi, na mesma época em que Green havia sido batizado. Green e Martha tiveram dois filhos, Lucinda e Abraham. Green passou quase que o restante de sua vida na área do vale do Lago Salgado conhecida como Union. Ele trabalhou em suas terras e participou de empreendimentos de mineração com Hark Wales e Miles Litchford, parentes de Martha. Green era membro ativo da ala Union.

    Broche do Jubileu de Cinquenta Anos da Chegada dos Pioneiros a Utah, presenteado a Green Flake em 1897.
    Utah Semi-Centennial Pioneer Jubilee pin presented to Green Flake in 1897.

    Como o passar dos anos, Green tornou-se um orador popular na comemoração do Dia dos Pioneiros. Durante as comemorações de 1894, “Green Flake (…) fez um discurso interessante, declarando que se orgulhava de ter feito parte daquele honorável e honrado grupo [dos pioneiros de 1847].”5 Em 1896, Green mudou-se para Gray’s Lake, Idaho, para ficar perto de seus filhos e netos, mas voltou para Salt Lake City em 1897 para a comemoração do Jubileu do Dia dos Pioneiros. Um artigo de jornal descrevia os pioneiros sobreviventes e alegava que “um dos mais interessantes daqueles veteranos era Green Flake, o único negro sobrevivente do grupo de 47. Green é um senhor vigoroso, de ombros largos, bem-humorado e inteligente, que residiu por muitos anos no Condado de Salt Lake, mas agora vivia em John Gray’s Lake, Idaho. Ele usa óculos, o único sinal de idade avançada sobre ele. Sua voz é potente como uma trombeta, e seus passos são firmes como os de um soldado.”6

    Green faleceu em 1903.7 Na ocasião, o Deseret Evening News afirmou que “o irmão Flake atingiu a distinta marca de 76 anos de idade, o que, para todos os que o conheceram, significaram 76 anos de trabalho árduo, honesto, para o bem da humanidade e para a exaltação no Reino de seu Pai.”8

    O irmão Flake atingiu a distinta marca de 76 anos de idade, o que, para todos os que o conheceram, significaram 76 anos de trabalho árduo, honesto, para o bem da humanidade.

    Deseret Evening News

    Sessenta anos antes, quando Green filiou-se à Igreja, um setenta negro, chamado Elijah Abel, tinha acabado de voltar da missão, e os membros do Quórum dos Doze estavam apoiando a proposta feita por Joseph Smith de libertar todos os escravos nos Estados Unidos.9 No entanto, pouco tempo depois de Green chegar à Grande Bacia, os líderes da Igreja começaram a excluir os negros do sacerdócio, uma mudança que também limitou o acesso dos membros negros ao templo.

    Apesar dessa mudança, Green viveu uma vida de perfeita fé.10 Ele esculpiu uma lápide para o túmulo de sua esposa no cemitério Union, onde ele também foi sepultado. Acima de seu nome está a inscrição gasta e quase ilegível: “Na casa de meu Pai há muitas moradas.” Essa epígrafe ecoa os sentimentos que Joseph Smith pregou no dia em que Green foi batizado: “Há muitas moradas no reino de meu Pai. O que temos para consolar-nos em relação à morte? Temos mais motivos para ter grande esperança e consolo por nossos mortos do que qualquer outro povo da Terra. Nós os vimos andar dignamente sobre a terra, e aqueles que morreram na fé […] partiram para esperar a ressurreição dos mortos, para ir para a glória celestial.” 11

    Notas de rodapé

    [1] John Brown, Reminiscences and Journals, 3-7 de abril de 1844, p. 27, microfilme de holografia, MS 1636, LDS Church History Library.

    [2] Registros de censos atestam o nascimento de Green Flake entre 1825 e 1828. Sua lápide declara 1828. Artigos de jornal da época de sua morte informam que ele estava com 76 anos de idade, o que indica a data de nascimento em 1826 ou 1827. Perto do fim de sua vida, Green afirmou que havia “nascido na Carolina do Norte”, em “mads burr” (provavelmente Wadesboro, no Condado de Anson, Carolina do Norte). Green Flake, Reminiscences, em Utah Semi-Centennial Commission, The Book of the Pioneers (aprox. 1897), citado em Mormon Pioneer Overland Travel, 1847–1868.

    [3] “Fifty Years Ago Today”, Salt Lake Tribune, 31 de maio de 1897, p. 1.

    [4] “More Pioneers”, Deseret News, 19 de julho de 1897, p. 2.

    [5] “The Veterans’ Reunion”, Salt Lake Herald, 21 de agosto de 1894, p. 8.

    [6] “The Opening Day of the Jubilee”, Salt Lake Tribune, 20 de julho de 1897, p. 1.

    [7] “Died”, Salt Lake Herald, 23 de outubro de 1903, p. 8.

    [8] “Union. Funeral of Green Flake. Aged Colored Pioneer Laid to Rest Honored and Respected by All”, Deseret Evening News, 31 de outubro de 1903, p. 9.

    [9] Andrew H. Hedges, Alex D. Smith e Richard Lloyd Anderson, eds., Journals, Volume 2: 1842-1843 em The Joseph Smith Papers, ed. Dean C. Jessee, Ronald K. Esplin e Richard Lyman Bushman (Salt Lake City: Church Historian’s Press, 2011), pp. 197 e 212; General Smith’s Views of the Powers and Policy of the Government of the United States (Nauvoo Ill.: John Taylor, 1844), p. 7.

    [10] “Union. Funeral of Green Flake. Aged Colored Pioneer Laid to Rest Honored and Respected by All”, Deseret Evening News, 31 de outubro de 1903, p. 9.

    [11] Joseph Smith, Sermão, 7 de abril de 1844, relatado por Wilford Woodruff, Andrew F. Ehat e Lyndon Cook, eds., Words of Joseph Smith: The Contemporary Accounts of the Nauvoo Discourses of the Prophet Joseph (Provo, Utah: BYU Religious Studies Center, 1980), p. 347; comparar com Thomas Bullock report, ibid., p. 354.