Clarissa Smith Williams

    1 May 2019

    Sexta presidente geral
    da Sociedade de Socorro

    1921–1928

    Quando Clarissa Smith Williams tornou-se a sexta presidente geral da Sociedade de Socorro, as mulheres nos Estados Unidos ficaram empolgadas com as possibilidades que se apresentaram diante delas. Tinham acabado de ganhar o direito de voto e estavam ansiosas para exercer influência nas comunidades.

    “Recebemos bênçãos que nunca foram dadas antes às mulheres, em nenhuma época”, disse Clarissa, “e devemos ser dignas delas em todos os sentidos”.1

    Foi por meio da Sociedade de Socorro que as mulheres da Igreja puderam fortalecer a família, a comunidade e o mundo de modo mais eficaz. Dotada de uma capacidade de gerenciamento excepcional, Clarissa dedicou-se a ajudar as mulheres a serem instrumentos nas mãos do Senhor.

    Por intermédio do recém-criado Departamento de Serviço Social da Sociedade de Socorro, essa organização trabalhou junto com as alas e estacas para ajudar mulheres e moças a encontrar emprego e crianças a serem adotadas; tinham um armazém de roupas e acessórios usados para serem distribuídos aos necessitados, dirigiram clínicas de saúde, enviaram auxílio para a Europa devastada pela guerra e ofereceram cursos de treinamento sobre serviços de caridade, educação infantil, higiene, doenças, enfermagem, prevenção de crimes, condições econômicas e outros.2

    Clarissa tinha uma preocupação especial com o alto índice de mortalidade de mães e bebês. Em 1922, as estatísticas da Igreja mostraram 58 falecimentos de mães e 751 falecimentos de bebês.3 Em resposta, Clarissa propôs que o lucro do Fundo de Trigo da Sociedade de Socorro fosse usado “em benefício da maternidade na Igreja”.4 A proposta foi aceita e as alas e estacas no mundo inteiro usaram os fundos para dar assistência à maternidade no caso de partos feitos em casa e à fundação de hospitais maternidade. Em 1924, o Bispado Presidente relatou que a vida de 500 crianças foi salva graças ao trabalho da Sociedade de Socorro.5

    “Essa grande confiança que o profeta Joseph Smith depositou nas mulheres 80 anos atrás”, disse Clarissa, “tem sido uma grande bênção, não apenas para as mulheres da Sociedade de Socorro, mas para a comunidade onde vivem. Por meio de nossa organização, o evangelho foi pregado, os necessitados foram amparados, os doentes foram consolados, os desalentados foram alegrados, uma mensagem de amor e de bênção foi sempre transmitida pelas irmãs da Sociedade de Socorro. (…) O amor é o que há de mais grandioso no mundo. E se o tivermos sempre em nosso coração e o transmitirmos como mensagem para as pessoas a nosso redor, seremos abençoadas e nos tornaremos instrumentos para abençoar as pessoas com quem convivemos”.6

    Infância

    Clarissa West Smith nasceu em 21 de abril de 1859, em Salt Lake City, Utah, filha de Susan Elizabeth West e George A. Smith. Foi a primeira de cinco filhas. As melhores amigas de Clarissa foram as filhas do presidente Brigham Young.7 Ela se formou na University of Deseret (depois Universidade de Utah) como professora e depois abriu sua própria escola em Parowan, Utah.

    Casamento e família

    Em 17 de julho de 1877, Clarissa casou-se com aquele que já era o amor de sua vida há dois anos, William Newjent Williams, um dia antes de ele partir em missão de dois anos no País de Gales, onde ele nascera. Ela deu aulas até seu regresso. Tiveram 11 filhos. Três morreram antes de atingirem a idade adulta. Clarissa faleceu em 8 de março de 1930.

    Destaques na Sociedade de Socorro

    Muito do que Clarissa fez com respeito a serviço social, trabalho humanitário e bem-estar ajudou a preparar o caminho para o sistema de bem-estar da Igreja hoje. A Sociedade de Socorro criou um programa de treinamento para auxílio de enfermagem. Cinco fundos de empréstimo em honra das últimas presidentes gerais da Sociedade de Socorro foram criados a pedido de Clarissa. Os fundos eram concedidos a alunas avançadas, estudantes de enfermagem e poetisas, além de serem usados para ajudar no trabalho do templo. As primeiras mensagens mensais regulares das professoras visitantes foram publicadas na Relief Society Magazine [Revista da Sociedade de Socorro].